Criação alemã

Apresentamos a história de um dos carros importados mais antigos de nossa cidade, já que teve como sua primeira morada a Fazenda do Socorro, local que deu origem a civilização vacariana

01/02/2019 Inegociáveis Carolina Padilha Alves Tiago Sutil

A Mercedes Benz 220 S, ano 1961, chegou em Vacaria na década de 60, diretamente da Alemanha, para o desfrute de Arthur Coelho Borges, primeiro esposo de Maria de Lourdes Noronha, antiga dona da Fazenda do Socorro.

Arthur, por sua vez, era um verdadeiro apaixonado por carros imponentes, tendo em sua posse anteriormente um Cadillac, também preto, que foi vendido para a aquisição do Mercedes.

A partir do falecimento de seu marido, a viúva Coelho, como ficou conhecida, chamou Laurindo Santos, que acabara de completar dezoito anos, para ser seu motorista e levá-la em seus compromissos.

“Sou de Lages e vim de férias para Vacaria, porém dona Lourdes não me deixou mais retornar e fiquei trabalhando como motorista até o seu falecimento em 1994”, relembra Laurindo.

Durante sua trajetória como funcionário da fazenda, Laurindo conta que Lourdes vendeu o Mercedes em 1974, para uma médica da capital, com a ideia de adquirir outro da mesma marca, porém de modelo novo. No entanto, esta segunda dona colocou o carro a venda após dois anos de uso, e Lourdes comprou-o novamente, ficando com dois Mercedes na garagem.

Esse clássico com 6 cilindros e 120 cavalos de potência, ainda encontra-se em ótimo estado de conservação, nunca foi restaurado e é totalmente original, tendo seus bancos vermelhos como marca registrada.

O automóvel passou pelas mãos de vários donos e retornou a Vacaria há três anos, participando de vários encontros de carros antigos, inclusive do Retrô Sobre Rodas que acontece anualmente em nossa cidade.



 

COMENTÁRIOS




REDES SOCIAIS

FACEBOOK INSTAGRAM
O conteúdo das ofertas é de responsabilidade exclusiva de seus anunciantes.