Matérias

Caminhada dignificante

Conheça a história de um empreendimento de quase cinquenta anos em nossa cidade, que agora é guiado pelas novas gerações da família Dengo

01/10/2018 Empreendedorismo Carolina Padilha Alves Tiago Sutil

Antônio, Ivanor, Antenor e Genilda Dengo. Esses são os quatro irmãos que decidiram abrir o seu próprio negócio nos anos 70 em nossa cidade. Antônio começou sua vida trabalhando no serviço pesado da roça, até que veio para a cidade estudar e trabalhar de garçom em um restaurante. Foi então que, após dois anos neste ofício, decidiu reunir a sua família e dar o pontapé inicial no que viria a ser o seu trabalho para o resto da vida.

Com a ajuda da mãe Pierina Barp Dengo, este quarteto alugou um espaço, onde abriram a Lancheria e Restaurante Irmãos Dengo, ficando neste primeiro local por treze anos.

“Éramos verdadeiros lutadores. Trabalhávamos de domingo a domingo, 365 dias por ano, da manhã à noite”, comenta Antônio.

 Com a clientela aumentando e a junção de esforços rendendo, eles resolveram mudar-se para um local maior, e então, compraram o espaço onde hoje está localizada a lancheria, e que estão há trinta e cinco anos. Na época, trabalhavam os irmãos, uma cozinheira contratada e mais um ou dois funcionários para ajudar no atendimento. “Pegamos o tempo em que a rodoviária era aqui no centro, e então nosso movimento era um absurdo. Quando ela se mudou para o bairro Petrópolis, houve uma baixa significativa, porém apostamos em continuar no centro e acho que foi a melhor escolha que poderíamos ter feito”, relembram Antônio e Ivanor.

Desde o dia 1 de Abril deste ano, Diego e Adriano, filhos de Antenor, alugaram o espaço de seu pai e tios, para darem continuidade no trabalho de sua família. “Nos criamos aqui dentro da lancheria e já ajudávamos quando mais novos. Agora esperamos conseguir manter a tradição deste empreendimento que representa a luta e determinação de nossos familiares”, diz Diego.

Segundo os atuais responsáveis pelo estabelecimento, hoje em dia as coisas estão bem diferentes do que quando tudo começou e, para se manter no mercado, é preciso estar em constante renovação. Algumas medidas foram tomadas por eles, como a criação de redes sociais para divulgação do trabalho, reformulação da identidade visual, mudanças na fachada, adequação para o cupom fiscal eletrônico, entre outros.

“Atualmente é muito mais difícil você abrir e/ou manter uma empresa. É tudo burocrático, os funcionários não ficam por muito tempo, a concorrência é maior, porém, tentamos ao máximo cultivar o que era feito antigamente com tanto amor por nosso pai e tios”, declara Adriano.

Com uma clientela fiel, alguns até com cadeira e mesa cativa, hoje Diego e Adriano atendem os filhos e netos dos clientes que frequentam o local desde sua abertura. Com público misto, sem faixa-etária definida mas, em sua maioria, vinda do interior, a família aposta na boa e velha comida caseira, de qualidade e ótimo custo-benefício. “Trabalhamos aqui durante quarenta e oito anos e para nós foi um verdadeiro sucesso. Agora, passamos a bola para nossos sobrinhos, que são de extrema competência, e que temos certeza que irão prosperar com o nome de nossa família, mantendo o nosso negócio vivo”, finaliza Antônio.



 

COMENTÁRIOS



Últimas

Hot Rod de pai pra filho Inegociáveis

A riqueza da carne vermelha Receitas

Um novo olhar Publieditoriais

Deu samba Artistas

Tecnologia em impressão digital Publieditoriais



Caieruff

O conteúdo das ofertas é de responsabilidade exclusiva de seus anunciantes.